terça-feira, 22 de maio de 2018

NICOLAU NASONI ACOLHE ÁLVARO SIZA




Teve lugar, na magnífica Casa da Prelada, a apresentação do novo livro de Álvaro Siza. A opção pela Casa da Prelada, saída do traço de Nicolau Nasoni, foi muito simbólica. 
Creio que foi um momento memorável, num fim de tarde que nos permitiu usufruir dum espaço privilegiado e muito bem preservado.
A apresentação do livro esteve a cargo de Nuno Higino, poeta e ensaísta. Salientou o orador que "estes textos não são um complemento da arquitectura de Siza, um apêndice, um suplemento. Eles fazem parte da sua arquitectura".
No debate que se seguiu, veio a lume a relevante questão de saber se a arquitectura é arte (ou meramente função). Diz Álvaro Siza que "a arquitectura marcada pelo desinteresse ou pela irresponsabilidade passa quase sempre despercebida. Não é comentada, mesmo se bem visível".
Já Niemeyer tinha apontado o caminho com a sua conhecida provocação: "a arquitectura deve ser bela. Se servir para alguma coisa, melhor".


quarta-feira, 16 de maio de 2018

APRESENTAÇÃO NO PORTO DE 02TEXTOS




Como bem se compreenderá, a primeira apresentação do 02Textos terá lugar no Porto, na Casa da Prelada.
Simbolicamente, Nicolau Nasoni recebe Álvaro Siza para a apresentação do seu novo livro.
A apresentação do livro estará a cargo do Dr. Nuno Higino e contará com a presença do Autor e do Organizador e Prefaciador.
O evento iniciará às 18:00 horas e são, naturalmente, benvindos.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

02TEXTOS - O PRIVILÉGIO DE EDITAR ÁLVARO SIZA



O Arquitecto Álvaro Siza já nos tinha honrado, em 2013, com a criação do actual logótipo da Parceria.
Volta agora a distinguir-nos com a edição de 02Textos (primeiro de três volumes), uma colectânea de textos seus, coligidos, organizados e prefaciados pelo Dr. Carlos Campos Morais.
Nome cimeiro da nossa Arquitectura, prestigiado com inúmeros e muito relevantes prémios, homem de Cultura, nos seus textos encontramos reflexões, interrogações, inquietações, reconhecimentos e memórias.
A partilha de tão relevantes e genuínos textos era um imperativo que, em boa hora, se levou a cabo.
O volume agora editado chegará a todas as livrarias do País a partir de amanhã.
Estão no prelo a edição do 03Textos e a reedição do 01Textos.
Aqui vos deixo a capa criada pela Zana Moraes, também responsável pela concepção gráfica e pela paginação dos três volumes.


sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

UMA ROSA NA TROMBA DE UM ELEFANTE



António José Forte  foi um dos maiores Poetas portugueses do século passado. 
A Parceria teve o privilégio de publicar um dos seus títulos mais emblemáticos: Uma faca nos dentes.
O Autor deixou-nos um outro livro muito relevante, igualmente com desenhos de Aldina e editado pela Parceria: Uma rosa na tromba de um elefante.
Neste livro sucedem-se as emoções, com poemas dedicados e pensados para as crianças e que transportam todos os adultos para doces recordações de infância.
Infra reproduzo um poema sobre a Torre de Belém que mostra bem o génio criativo dos Autores.
Numa altura em que tanto de discute o défice de leitura das crianças portuguesas, aqui fica uma sugestão para umas horas de leitura de pais e filhos ou de avós e netos.





segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

HISTÓRIA DA PARCERIA A M PEREIRA


Alguns blogs são um autêntico serviço público, levado a cabo por Autores altruístas e dedicados a uma causa, em benefício de todos. É este, sem qualquer dúvida, o caso do Restos de Colecção, de José Leite.
Estamos muito gratos pela atenção que dedicou este domingo à história da Parceria A M Pereira, num texto claro e elegante, como é seu timbre, com ilustrações variadas e de boa qualidade gráfica.
Como acertadamente escreve José Leite, tudo começou em 1848 com a edição do romance histórico O Mestre de Calatrava, de Ayres Pinto de Sousa Mendonça e Menezes, numa tiragem de 300 exemplares que se venderam a 7$200 réis cada.
Completar-se-ão no próximo dia 18 de Agosto, 170 anos de actividade desta Editora, o que não deixa de ser notável.



quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

O PASSADO NUNCA PASSA OU A COSTA DO ESTORIL REVISITADA


O título do novo livro da Parceria foi inspirado na frase do grande escritor norte-americano William Faulkner "The past is never death. In fact, it's not even past".
Em boa hora, o Carlos Pina Cabral convenceu o seu amigo e vizinho José Santos Fernandes a reeditar o livro com a sua colecção de postais da abençoada Costa do Estoril, que vai desde o Forte de São Julião da Barra ao Guincho.
O resultado é um livro de excelente qualidade gráfica e de cuidada impressão que resgata as magnificas imagens de outros tempos, desconhecidas de muitos e que a todos agradarão.
Como refere João Medina no prefácio "Há em todos estes postais aquilo que os alemães exprimem na palavra que cunharam para nomear essa realidade especial, algo com um perfume que é só da altura a que esses seres e movimentos pertencem (Zeitgeist) ".
O livro foi apresentado, com toda a propriedade, no ilustre e histórico Hotel Palácio do Estoril e está já à venda em todos as grandes livrarias, incluindo as FNAC, LeYa e Bertrand.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

ERÓTICA VERBAL OU AS SAIAS DE AMARO

Este notável conjunto de ensaios queirosianos de Ana Luísa Vilela esteve para se chamar "As saias de Amaro", justamente o nome do ensaio que abre o livro.
Como refere o Professor Doutor Carlos Reis "trata-se aqui de Amaro e do envolvimento erótico que n'O crime do Padre Amaro se acha descrito, da Luísa e do seu destino de Cinderela de segundo grau, da culinária e das refeições n'Os Maias, do corpo de Maria Eduarda e da questão do incesto".
Acresce que a Autora se debruça ainda sobre a imagem de Espanha em Eça e sobre a saúde e a doença na obra queirosiana.
Regressamos a Carlos Reis para concordar que "vocação exegética é que não falta a Ana Luísa Vilela, autora, para mais, de uma escrita elegante e fluída, sem sacrifício do rigor conceptual com que nos brinda. Tudo por junto é mais do suficiente para saudarmos estes ensaios como um inestimável contributo à bibliografia critica queirosiana".
Sem dúvida, um livro indispensável para qualquer queirosiano que se preze.